Schmillevitch Diagnósticos

Artigos e Notícias

Elastografia ARFI na quantificação dos graus de fibrose hepática

A quantificação dos graus de fibrose hepática é fundamental para a decisão terapêutica, seguimento e prognóstico nos pacientes portadores de doenças hepáticas crônicas.

A biópsia hepática vem sendo considerada como padrão de referência no estadiamento da fibrose hepática associada a marcadores sorológicos.

No entanto apresenta as desvantagens de ser procedimento invasivo, necessitando internação, sedação, com risco de complicações leves ou mais severas e influenciadas por fatores, tais como o tamanho da amostra e variações intra e interobservadores.

Na última década, novos métodos diagnósticos não invasivos e marcadores sorológicos foram desenvolvidos com a finalidade de diminuir o número de biópsias hepáticas.

Em 2003, surgiram os primeiros trabalhos científicos com a elastografia transitória (Fibroscan, Echosens, França), que pela imagem unidimensional, modo M, provoca vibrações mecânicas, com ondas de baixa frequência, medindo a velocidade no parênquima hepático em Kilopascals, proporcionalmente ao grau de rigidez do fígado.

O número de trabalhos publicados com a elastografia transitória é crescente, e os resultados têm demonstrado elevada acurácia na quantificação dos graus de fibrosse hepática.

Em 2009, são iniciadas as publicações da elastografia ARFI (Acoustic Radiation Force Impulse), software acoplado a equipamento convencional de ultrassonografia (Siemens S2000, USA), que através do transdutor convencional de ultrassom, com 3,5 MHz, sem necessidade de compressão, emite ondas 10.000 vezes mais rápidas em relação às ondas convencionais. A propagação das ondas é seguida da detecção de pulsos, que é utilizada para mensurar a velocidade de propagação da onda, que é diretamente relacionada ao grau de rigidez hepática.

As medidas são preferencialmente realizadas no lobo hepático direito, nos segmentos 5 e 8, através dos espaços intercostais.

A utilização no lobo esquerdo é útil nos pacientes obesos, nos quais pode haver dificuldades técnicas na obtenção das medidas no lobo direito.

voltar
Schmillevitch | Notícias